Portugal apela a que as pessoas fiquem em casa durante a Páscoa

Tue 7 Apr 2020

Com a Páscoa ao virar da esquina, o governo de Portugal instou as pessoas na terça-feira a continuarem a luta contra o coronavírus, que já infectou milhares de pessoas em todo o país, e disse-lhes para ficarem em casa durante o período de férias que normalmente existe.

"Estamos numa fase importante na luta contra a pandemia", disse Diogo Cruz, vice-director da DGS da autoridade de saúde, numa conferência de imprensa. "A Páscoa está se aproximando, mas pedimos a todos que continuem seguindo medidas de contenção. Sabemos que é difícil".

Portugal registou até agora 12.442 casos confirmados de coronavírus e 345 mortes, um número relativamente baixo, especialmente em comparação com a vizinha Espanha, que registou cerca de 14.000 mortes, só depois da Itália em todo o mundo.

Espera-se que os casos atinjam o auge no final de Maio, afirmaram as autoridades sanitárias portuguesas.

Portugal declarou estado de emergência nacional de 15 dias em 18 de março, que foi prorrogado na última quinta-feira até 17 de abril.

Na semana passada, o governo reforçou as restrições durante o período de férias da Páscoa, fechando todos os aeroportos a voos comerciais e proibindo as viagens domésticas de 9 a 13 de Abril.

Portugal vai aumentar para 4,2 mil milhões de euros as linhas de crédito para as empresas que enfrentam o surto de coronavírus na quarta-feira, disse o governo, depois de um pacote de ajuda estatal da Comissão Europeia ter ajudado a apoiar as finanças do país.

Até agora, as empresas candidataram-se a 90 milhões de euros de um crédito original de 3 mil milhões anunciado pelo governo há duas semanas. Esse crédito é destinado ao setor de turismo, hotéis, restaurantes e indústrias tradicionais, como têxteis, vestuário e madeira.

Depois de a Comissão ter anunciado no sábado que iria oferecer um pacote no valor de 13 mil milhões de euros a Portugal, o governo disse que iria aumentar as suas linhas de crédito em mais 1,2 mil milhões a partir de quarta-feira.

Os fundos adicionais são destinados às empresas do sector do comércio e serviços, disse o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, numa conferência de imprensa no final da segunda-feira. O transporte de carga e de passageiros também será adicionado à lista de setores elegíveis, acrescentou ele.

Comissão também anunciou pacotes multi-bilionários de apoio estatal para a Grécia e a Polónia.

O partido da oposição PSD argumentou na segunda-feira que o governo deveria expandir as linhas de crédito para 10 mil milhões de euros e tornar todas as empresas elegíveis, independentemente do seu sector.

Leia o artigo original aqui.

Our website, like many others, uses cookies to help us customise the user experience. Cookies are important to the proper functioning of a site. To improve your experience, we use cookies to remember log-in details and provide secure log-in, collect statistics to optimize site functionality and deliver content tailored to your interests.

Agree and Proceed
X